23 agosto 2007

Cena no Aterro do Flamengo

À beira da ciclovia, no meio de um quadrado formado por quatro árvores, uns cobertores espichados no chão. Ao lado, atrás de um dos troncos, um morador de rua penteava os cabelos com um espelhinho de mão, no maior capricho.

13 agosto 2007

Medo

Tenho um medo que me pelo de perder tudo. Pronto, confessei. Família, casa, as pernas. O ar. Capacidade de me alegrar com palavras engraçadas e doces – cupuaçu, por exemplo. Perder o chão. Pior, perder a memória e a imaginação (que é a memória para frente, ou para os lados).

Ah, tenho um medo que me pelo de perder os lados.

03 agosto 2007

Hábito

Eu ontem vinha pela rua mordendo o lábio inferior, como faço. Pensava sei lá o quê, mas mordia com força, como faço. Andei uns quarteirões. Mordia. De repente, me dei conta.

-Por acaso eu estou com alguma dor ou incômodo no corpo?

Não.

- Por acaso estou devendo dinheiro aos amigos?

Não.

- Por acaso atropelei um cachorro? Minha calça rasgou? Unha quebrada? Atrasada e despreparada para reunião importante? Peguei emprestado e não devolvi? Acordei de ressaca na cama errada? Escondendo bombom dos sobrinhos? Estacionando em vaga para deficientes? Informação errada aos velhinhos?

Não, não, não e não. Então, podes me explicar por que diabos eu mordo o lábio inferior como quem tem culpa, inquietude, ansiedade, expectativa ou apavoramento da vida?

Por hábito- esse cupim da pior espécie. Um dia você acorda e tem hérnia de disco. Mau hábito, o cupim da boa postura. Um dia você vai vestir uma calça e percebe que “inchou” dois números. Deu cupim nas refeições e você acabou se habituando.

Desmordi a boca na mesma hora.

- Diacho, por que não posso simplesmente relaxar? Por que será? Hein?

No “diacho” da frase acima eu já estava mordendo outra vez, mas agora com motivo. Encucadíssima.

12 julho 2007

Fone coletivo

Juro por Deus. Na rua, moça passa por mim ouvindo pagode (alto!) num radinho de pilha vermelho. Doida? Não, se não tivesse nos ouvidos um par de fones.

O radinho ela segurava com uma mão, e o plug dos fones (solto!) com a outra. E curtindo maior pagodão.


Perigosa quem?

Velhinha esperando para atravessar a rua. Passa uma moto voando. Ela puxa assunto comigo:

- Elas são um perigo! Perigo!

Ahãm. Estou crente que ela vai esperar o sinal abrir para os pedestres, né? Em vez disso, atravessou na frente de um táxi, que freou bruscamente e deve ter pensado:

“Elas são um perigo. Perigo!”


Receita light

Descobri um cookie light muito do bom. Comprei outro pacote, mas me enganei: não era do light. Era do normal.

Diferença: o light vem com um furo no meio. Faz sentido. Deviam adotar a “receita” para pães, bolos, chocolates e refrigerantes.


Tele-insulto

Ligo para a farmácia e peço assim: bolinhas de algodão Johnson’s. Sujeito me dá o preço, mas eu estranho e pergunto:

- É Johnsons’s?
- Não.
- Mas tem que ser Johnsons’s.
- TEM QUE SER? (Irritado).
- Sim.
- Ai, meu Deus, tem que ser Johnson’s! (Ele repete, um pouco longe do telefone mas nem tanto, fazendo uma voz de quem imita alguém chato). Xô ver aqui. Não tem em nenhuma loja.

!!!!!

14 maio 2007

Novo Blog

Faz exatamente um ano que eu engravidei. Minha filha fez três meses ontem – meu primeiro dia das mães!

Depois de nove meses alisando minha própria barriga, e mais três me surpreendendo positivamente com o que saiu dela, resolvi criar um blog comemorativo. Batizei o diário com o bordão “Leve um casaquinho!” – mais maternal é impossível.

Você, que vem sempre aqui e já está careca de me conhecer, não vai estranhar a nova casa. É minha paixão velha: a crônica. E a nova: a Lara.

Visite, divulgue, convide os amigos. Avise as moças que estão esperando bebê – que tragam suas barrigas para enfeitar a bodega!

E nunca, jamais esqueça: Leve um casaquinho!

12 maio 2007

10 maio 2007

Supermãe, eeeu?

Fiz um teste na internet para ver que tipo de mãe eu seria/sou/serei, resultado: superprotetora.

Terapia, rápido. (Para mim agora ou para ela depois).
Sem noção

O Papa já chegou apoiando a excomunhão dos políticos mexicanos que votarem a favor da legalização do aborto. Enquanto isso, na Câmara, Clodovil xinga uma deputada dizendo que ela não serviria para ser prostituta porque é feia.

Deus que me perdoe, mas o Papa entende tanto de humanidade quanto o Clodovil conhece as putas.

07 maio 2007

Bolando as trocas

Com bebê em casa a gente dorme pouco. Dormindo pouco pela primeira vez na vida, pude comprovar o que os neurologistas dizem sobre a importância do sono para o funcionamento do cérebro.

Aqui em casa estamos bolando as trocas, ops!, trocando as bolas.

- Vamos mamar depois que ela almoçar? (Esse tipo de gafe é rotina).

Outro dia eu me esqueci de pagar o cartão de crédito no vencimento. NUNCA esqueço! Sou mão-de-vaca e não pago multa de atraso por nada. Aaaai, como chorei.

Blusa do lado do avesso. Sair de casa e esquecer a bolsa (ufa! Lembrei no elevador). O que foi mesmo que eu vim comprar na farmácia? Qual é o seio que eu dou agora?

Isso que nem podemos reclamar. Dias depois de completar dois meses ela já dormia quase a noite toda, dando intervalos de 6 horas entre a última mamada da noite e a primeira da manhã. Agora, quase com três meses, os intervalos chegam a 8 horas. Camarada!

Mesmo assim, é diferente. Usa-se mais espaço no “disco rígido” para guardar as coisas do bebê e dorme-se menos do que antes. O resultado é um atrapalhamento constante. E também uma paranóia desmedida.

Ontem, na casa da minha mãe, Lara dormia no quarto enquanto nós conversávamos na sala. Claro, portas abertas. Passou um carro na rua e deu uma buzinada estridente – pois eu dei um pulo achando que era ela chorando, e logo depois me dei conta do mico...

Para evitar esquecimentos, peguei mania de anotar tudo. Anoto os horários das mamadas, anoto quando terei que passar o leite da mamadeira para o congelador (o leite materno vence em 24h). Anoto as perguntas para o pediatra. Anoto quando ela fez cocô verde. Quando não dormiu direito (e por quê). E, naturalmente, anoto o que precisamos comprar.

E ponho tudo nos bolsos, para não correr o risco de ser pega desprevenida na rua.

Agora, adivinha se eu não saio com a calça errada!!!

05 maio 2007

No tanque

As roupas dessa menina encolhem muito rápido!

No salão

- Você tem filhos? Ainda não, né, tão novinha...
Sorrio.
- Tenho, sim! Uma menina de dois meses e meio!
- Nossa! Mas nem parece que passou por um parto!!
Sorrio.

Ganhou gorjeta de pedicure de centopéia.

No jornal

O Garotinho, a fim de criticar o atual governador, pôs no seu blog versões do jornal O Globo “editadas”. Na cara dura, puxou as notícias de violência para a primeira página e deu destaque de manchete.

Libertinagem de imprensa?

30 abril 2007

O felizmente dos infelizes

Uma moça escreve para o jornal; ela e o pai estavam num engarrafamento em frente ao shopping Downtown, na Barra da Tijuca, às 18h, quando estranharam uma cena à frente. Parecia que um sujeito estava empurrando um carro. O pai pôs farol alto em cima para ver melhor. O cara estava assaltando e veio na direção deles atirando.

“Felizmente” o pai da moça só ficou ferido, e ninguém mais se machucou.

Felizmente, também, um amigo querido teve a sorte de ser assaltado e ameaçado com uma arma por um sujeito bem vestido que lhe roubou o carro, dizendo: “Perdeu, playboy! Cai fora.” Ainda levou a bolsa com todos os pertences da namorada dele. Mas, felizmente, ninguém morreu.

Graças a Deus, todos nós escapamos (quase) intactos. Um vidro quebrado aqui, uns documentos roubados ali, uma taquicardia, uma correria, um pouco de pânico e indignação. A preocupação de nossos amigos. O suspiro aliviado dos nossos pais. Graças a Deus!

Em terra de cegos no tiroteio, quem ainda tem um olho é “felizmente”.
Filósofa

Levantei cedo e fui lá espiar. Ela estava acordada no berço, quietinha. Fiquei observando. Não mexia além das pálpebras. Piscava com calma, olhava o infinito, vez em quando um suspiro. Não vai chorar? Nada. Talvez refletisse, ponderasse, meditasse. Pelo horário já devia estar com fome e, na sua filosofia de bebê, decerto arriscava:

“Só sei que nada seio”.

Hoho.

28 abril 2007

Laramaníacos

Minha mãe:

- Eu assisto ao videozinho da Lara dez vezes por dia! É muito fofa!

É impressionante como um bebê mobiliza as atenções. As pessoas ficam completamente idiotas - no bom sentido, vai! Recebo convites para visitas cheios de segundas intenções.

-Venham nos visitar! Há tanto tempo não nos vemos...

Tradução: estamos com saudades da Lara, tragam essa menina logo!

- Aqui perto abriu um restaurante ótimo, vocês precisam se distrair... Tirar um tempinho só para o casal!

Tradução: tragam a Lara aqui e dêem o fora!

- Vou lavar as mãos.

Tradução: vou pegar a Lara no colo, saiam do caminho!

Quem está gripado manda beijos por telefone. Para ela. Quem não tem tempo deixa presentinhos na portaria. Quem mora longe pede fotos. Quem mora perto também!

Estão todos loucos, doidinhos de pedra. Perderam a noção. Precisam de tratamento. Desejo-lhes sorte.

Com amor,
Emília.
Do sítio. Do pica-pau amarelo! Ta olhando o quê? JURO QUE SOU EU!!!

27 abril 2007

Gordômetro

Aqui você pode calcular o seu IMC (Índice de Massa Corpórea) e saber a quantas anda a saúde dos seus pneus. Dica: separe cm e gr por vírgulas.

Pode ser útil, mas eu acho essa medida meio tosca. Por exemplo, vale a mesma para homens e mulheres. Não é estranho?

O outro defeito é que não leva em conta a massa muscular – como sabemos, músculo pesa mais que gordura. Como ficam os marombados?

Para fins estéticos eu também acho o que o método não funciona. No meu caso, poderia pesar 73kg (para a minha altura – 1,71), que receberia como resultado: “Parabéns! Você está em seu peso ideal. Cuidar de seu peso é cuidar de seu corpo e sua mente... Mantenha-se assim para obter vida longa e saudável!”

Hum. Acontece que com 73kg eu fico uma bolota!

Enfim, não sei por que eu estou passando esse link. Na falta do que fazer, vale muito a pena. Ou não.

26 abril 2007

Lara estréia no You Tube!



... morrendo de sono.

PS: Pai! Tem que clicar em cima da imagem e ligar as caixinhas de som!!!

25 abril 2007



Chupam gilete
Bebem xampu
Ateiam fogo
No quarteirão
Porém, que coisa
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!

Trecho (final) do Poema Enjoadinho – Vinícius de Morais
Zzzzzuuuuummm!

Os dias passam assim: café da manhã, amamentar, e quando vejo é meia-noite. Rápidorápidorápido.

Ela vem ganhando bochechas, não há quem não repare. Rápidorápidorápido.

Alguém esbarrou na tecla fast forward!

20 abril 2007

Três palavras





THANK YOU, CEGONHA!!!!!!!!!!!!!!!!

19 abril 2007

Sorriu

Outro dia ela sorriu de verdade.
E não era pum!
Sorriu – e, desde então, vem sorrindo diariamente.

Brincamos com o queixinho – sorri.
Apertamos as bochechinhas – sorri.
Pegamos o narizinho – sorri.
Sorrimos – sorri.

Querendo mamar, não. Fazendo cocô, nem pensar.
Morrendo de sono, jamais!

No mais,
sorri quando está em paz.
Pensamos mesmo em comprar um apartamento por lá.

17 abril 2007

Reflexão

Se não víssemos as impossibilidades, será que elas existiriam?

2 meses

Fomos levá-la ao pediatra. Está ótima – cresceu e engordou um bocado, aliás, o dobro do esperado. Do pediatra, animadíssimo:

- Noooooossa! Mas esse leite é holandês, hein??!!

Sei, quis elogiar. Mas eu me sinto assim, meio... muuu.

Leite paterno?

Existe uma coisa chamada ordenha manual do leite materno. Primeira vez que ouvi falar, ainda grávida, levei um susto. Ordenhar-me? Jura? Mas, com o passar do tempo, os filhos vão crescendo (a minha já está com dois meses e quase 5kg,ainda ontem era uma garotinha!) e a gente vai perdendo as frescuras. Dia desses tomei coragem.

A mamadeira me olhava, vazia. Eu olhava de volta, cheia de leite e dúvida. Não há de ser complicado, é só mirar bem certinho e espremer daqui, nem vai doer – eu me dizia, mas não me acreditava muito.

Não vou descrever o processo, claro, mas o fato é que não tem nada de mais. Basta dizer que funciona; demora um bocado, mas dá certo.

Congelamos o meu leite – olha que moderno! – e deixamos, dias depois, a pequena e seus pertences com a vovó. Iríamos passear, e demoraríamos. Vovó daria a mamadeira.

Jantamos fora e tudo. Melhor dizendo: jantamos fora e foi tudo. Voltei correndo a tempo de amamentar sem intermediários.

Mas o papai foi mais esperto e pegou primeiro o lugar na poltrona de amamentação. Deu-lhe a mamadeira – que ela traçou em dois tempos, sem a menor dificuldade -, fez arrotar, trocou as fraldas, embrulhou na manta e pôs para dormir.

Quando dei por mim, o gol já estava mais que consumado. Esse mundo está virado mesmo. Mamãe, outrora insubstituível, dessa vez dormiu no banco.

Lipo

Saiu uma notinha no jornal sobre a tal “lipo sem dor”. Que a Xuxa e a Deborah Secco teriam feito. Hum.

E a nós, pobres mortais, cabe que tipo de providência mesmo?

06 abril 2007

Meus arquivos

A Cláudia e a Anlene perguntam onde podem ler meus escritos mais antigos... Envergonhada, respondo: não sei onde foram parar meus arquivos!

Desde que fiz a transição do meu blog para o "Novo Blogger", eles sumiram. Por favor, blogueiros de plantão: me ajudem!

Obrigada, beijos.

05 abril 2007

Todo mundo tem problemas (só a bailarina que não tem)

Agora que sou mãe, tenho pensado muito na seguinte solução: um problema de cada vez.

Problemas entram na nossa vida todos os dias. Se a gente não puser uma certa ordem, eles mesmos tratam de organizar a fila. Como não se respeitam, não escutam e têm pavio curto, o que se dá é um festival de cotovelos problemáticos espetando-se uns aos outros na ânsia por atendimento (farinha pouca, meu pirão primeiro).

Tô fora. Meus problemas, a partir de agora, vão ter que tirar fichinha no balcão. Ser mãe é estabelecer prioridades e agir com bom senso. Se um deles se julgar de caráter urgente urgentíssimo, sinto muito. O problema é do problema.

E tem mais, não estou com tempo para choramingo de problema. O primeiro que fizer manha vai para o fim da fila! (Não se dá colo a problema; eles viciam e depois acabam com a coluna da gente). Deixa berrando.

Idosos, é claro, têm atendimento preferencial: ora, problema antigo é caso para analista, e com isso não se brinca. Problemas gestantes também podem passar na frente - se demorar muito, correm o risco de parir outro probleminha ali mesmo.

E já imaginou se forem gêmeos??

Afora as exceções mencionadas, os demais problemas vão se acostumando: enquanto estiverem morando dentro da minha casa, VAI SER DO MEU JEITO! E aqueles que fizerem birra vão ficar um mês sem solução.

Acreditem, vai doer mais em mim.

02 abril 2007

Dieta da lactante

Vim bufar on line, reclamar da vida. Imaginem que passei os nove meses da gestação controlando a alimentação para engordar o mínimo necessário – e consegui, só 8,7kg! Depois que a Lara nasceu, quando pensei que poderia voltar à vida normal, veio o pediatra com a bendita dieta da amamentação...

Não posso comer:

- leite
- derivados do leite
- CHOCOLATE
- café
- chá preto
- gordura
- fritura
- comida japonesa
- camarão
- condimentos
- adoçante dietético (só libera o stevia)
- álcool

Olhando assim, parece até fácil. Mas não é mesmo!

Primeira dificuldade: como não como carne vermelha, sempre usei os derivados do leite como boa fonte de proteína. E a vida sem queijo é um projeto insosso, ou não é?

Pizza leva queijo. Biscoitos, bolos e sorvetes levam leite. Qualquer saladinha mais incrementada, hoje em dia, tem lá um queijinho. Sanduíche sem queijo? Impossível. Massas de salgados gostosos levam manteiga.

Pior de tudo: chocolate leva... chocolate. E não é que eu não possa comer chocolate puro. Não posso comer nada que leve chocolate! Se bobear, nem “aroma de chocolate” pode...

Qualquer sobremesa (que não seja fruta em calda, mas, convenhamos) leva leite ou algum derivado. Só escapam os doces à base de ovos. E paçoca de amendoim. É para matar. Não sei como vivem as pessoas com intolerância à lactose. As opções são realmente muito poucas!

Só levando com muito bom humor. Outro dia combinamos aqui em casa, achei ótima a opção: vamos dividir um belo queijo suíço.

Sendo que ele come o queijo e eu, os furos.

31 março 2007

Céus!!!
E os caras pararam mesmo o país.
**

Aqui no Rio está um calor in-su-por-tá-vel. Para quem gosta é o bicho. Para quem não gosta, morde.

Falar nisso, vocês viram o filme do Al Gore? Vi e gostei. Mas assusta.
**

Pilates

Minha (ex) professora de Pilates, Kamila, deixou um recadinho aqui (um beijo, querida! Saudades.) Não nos vimos desde que parei de pilatar e mudei de bairro, no oitavo mês de gravidez.

Lara já está com um mês e meio, e ainda não retomei os exercícios. O médico liberou, mas, como diria o Veríssimo – cadê tempo??

Minha coluna está cada dia pior. Faço uns alongamentos em casa, enquanto ela dorme, mas nunca é a mesma coisa. Sou militante do Pilates; é o que me permite conviver na boa com uma hérnia de disco e trabalhando no computador direto.

Agora, com uma filha que engorda 30gr. por dia, ou malho, ou me quebro!

Deveriam vender colunas novas nessas lojas infantis...

30 março 2007

Amementação

É muito divertido: às vezes o bico do seio lhe escapa da boca e ela, afobada, procura encontrar, mas acaba achando a própria mãozinha fechada – e segue sugando, decerto indignada porque não sai leite.

Reponho o devido bico na devida boca, e ela resmunga, inconformada (“grrrrrrrrsssshhhhmmmm!!!!”), como se eu estivesse atrapalhando seu trabalho. Quando finalmente percebe que ali tem leite, sossega e manda um olhar esnobe de canto de olho, tipo:

“Apesar de você, achei o que eu queria.”

Isso que ainda nem comecei a dar palpite na vida dela...

29 março 2007

Estou cheia de idéias para escrever aqui, mas o tempo é cuuuuurto!
Serei breve.

**

Visita


Pois vieram vê-la as tias. Pão-de-queijo, historinhas. Saímos com pacotões de fraldas tamanho “M” e um macaquinho que ainda vai dar muito nela.

Romance

Aí ele voltou à loja da blusa que eu elogiei na vitrine e comprou para mim. Sempre sonhei!

Choro

Chorou muito e depois chorou mais, eu quis morrer. Ave Maria, rezei e tudo. Mais tarde passou (beeeeem mais tarde), pôs as mãozinhas daquele jeito e adormeceu como um anjo – não morri, mas fui dormir no céu.

Básica

Aí eu voltei à loja (tive que trocar a blusa, olha que desagradável, não me serviu e jamais serviria). A menina que me atendeu tinha lá os seus 19 anos. E pensei: daqui já não enxergo muito bem, mas lá se vão os meus. Peguei três regatinhas básicas, tamanho único, e saí com a maior cara de básica e única.

Romance

Aí ele me disse: tem importância não, depois te compro outra bem bonita. Sempre sonhei!

News

Estou tramando mudanças para este blog. Muito em breve, agurdem!

26 março 2007

Recém-nascidas



É como se o mundo ficasse numa bandeja à parte, e a gente fosse se servindo de uma beliscada aqui, outra ali – mas o prato que está na nossa frente, aquele do sustento do dia-a-dia, é mesmo o bebê. Ou a maternidade.

Dizem sempre: “dá um trabalho danado, mas é maravilhoso”. Não é um trabalho “danado”. É um aluguel desmedido, coisa que exige total entrega. Digo isso sem a menor culpa porque é a mais pura verdade. Trabalho danado é escrever um livro. Amamentar e cuidar de um bebê é entrega. Tudo que há em você é derramado num copo, e o conteúdo é bebido (sugado) por aquela criaturazinha. Então você quer ser esperta, ou supermulher, ou seja lá o diabo da sua fantasia, e resolve se espremer um pouco para fazer sair mais algumas gotinhas – na esperança de “sobrar” um pouco.

Nada, não sobra nada. É 100% aproveitado pelo bebê, 24 horas por dia. Quanto maior você se achar, mais entrega haverá. Não sei mais o que é desperdício (de tempo ou de amor) e também não guardo nada: tudo é utilizado. E é freqüente a sensação de que preciso abastecer a despensa, senão me esvaio.

De outro lado, “maravilhoso” é um adjetivo que cabe, mas não preenche. Maravilhoso a gente usa até para um pato assado!

Quando olho para a minha filha, perco os caminhos lineares. Não existe olhar/sentir/pensar/formular/dizer. Não existe ordem, nem mesmo o processo de ordenar. É uma experiência tão direta – a mais direta que já conheci – que até me pergunto se posso chamar de experiência. Talvez seja um tipo de oxigênio ou uma canção.

Um bocejo dela me boceja inteira, um choro me chora, um sorriso involuntário me transforma em alegria da cabeça aos pés. Como é que o budismo classificaria?

Não sei se vem dela ou de mim. Vai ver que vai de cada uma, somos recém-nascidas – a pequena, experimentando as primeiras sensações; a grande, desarticulando idéias. Não me sinto andando com as pernas, é como se alguma coisa lá pela garganta me guiasse.

Em vez de tropeçar, engasgo.

21 março 2007

Total flex

Hoje eu a vesti inteira de verde. Pistache. Camiseta e bermuda, uma coisa. Pus no berço – ela já estava grogue e quase entregue – e fiquei ali fazendo “shhhh... shhhh...”, olhando aquela bolinha verde que saiu de mim. A cada “shhhh” ela fecha mais os olhinhos, geme qualquer coisa lá e enfia o nariz no travesseiro que deixamos ao lado para que não “entorte” o corpinho.

Afasto um pouco o travesseiro. Ela enfia mais o nariz. Afasto um pouco. Enfia outra vez. Afasto. Enfia. Afasto. Enfia.

Agora eu me afasto e – desisto! – fico só observando como ela vai proceder. Ela esborracha de vez o nariz no travesseiro (decerto gera sensação de aconchego) e, quando percebe que não vai dar para respirar, vira meio de ladinho e libera uma só narina.

Esperta e econômica, respira satisfeita com 50% da capacidade. Ou seja, sobrevive lindamente com um pouco de aconchego e um pouco de ar: um bebê total flex!

Demoro um pouco a compreender isso e me dói a coluna de ficar inclinada no berço: uma mãe Maria Fumaça.

16 março 2007

Spa

Tenho ido pouco à rua. Como disse o médico, ainda estou “quase” de alta. Recém fez quatro semanas da cesariana, e alta mesmo só recebo na quinta. Mal posso esperar.

Mas, enfim, outro dia fui à rua. Saí pela portaria do prédio e fui à rua. Sozinha.

Andei pelas calçadas e me vi saltitando por dois motivos. Um, a euforia. Dois, a incrível sensação de pesar pouco mais que uma pluma – Cristo, quanta diferença! Parir é o melhor spa que já inventaram. Perde-se peso com tanta eficácia e rapidez que as próprias pernas custam a crer no pouco esforço que lhes é exigido para carregar o corpo.

Para não falar no risco quase nulo de cair no efeito sanfona. Sim, recuperar o peso perdido no parto é até possível, mas requer planejamento cuidadoso e a escolha de um novo nome, ou seja, dá muito trabalho.

E o melhor de tudo: na maternidade eles na só tiram a sua barriga como também empacotam para viagem!

Eu recomendo veementemente.

12 março 2007

Teste do pezinho

Ainda agora entrei no quarto e ela dorme, serena, empacotada numa manta. Um pezinho ficou de fora.

Aí começa o dilema. Você não sabe se mexe e empurra o pezinho para dentro, ou se ficou assim porque estava mesmo quente dentro da manta. Põe a mão para sentir a temperatura – não está frio nem quente, parece temperatura de bebê. Mexo ou não mexo? Dorme tão linda; vou desmontar o sono?

Pior: desmanchar os sonhos?

E o pezinho cá embaixo, sozinho. Uma sobra no meu cuidado – cinco dedinhos zombando da minha arrogância de querer ser 100%. Embrulhei tudo, mas esqueci o pé?

Que mãe sou eu???

E ela dorme, intacta. Filha, filhota, filha minha. Perdoa a tua mãe relapsa, vai ser assim mesmo, sempre vou querer empacotar tudo certinho, mas aqui e ali vai me escapar um pé. Tentei, mas não coube. Me perdoa.

Que eu te perdôo por crescer tão rápido.

10 março 2007

Primeira vez no shopping


Primeiro passeio no shopping. Colocamos o vestidinho branco que o papai comprou – lindo! lindo! – e nos armamos dos apetrechos necessários: carrinho, bebê-conforto, canguru, fraldas, chupetas, roupinha extra, pomada contra assaduras... Lá fomos nós.

Mamãe aqui estava eufórica. Adoro um shopping e fazia exatamente um mês que não pisava num. Aliás, minhas idas à rua têm sido assim: raras. Pediatra, obstetra e pediatra. Ainda estou, como diz o médico, “quase de alta”.

Então, fomos ao Shopping Leblon (amplo e tranqüilo, seguindo as recomendações do pediatra). Dormiu no percurso. Chegando lá, acordou. Resmungou. Choramingou. Estava na hora de mamar.

O tal fraldário é coisa de primeiro mundo. Tem poltrona de amamentação, trocadores e todos os equipamentos necessários, além de duas mocinhas simpáticas, vestidas de branco, sempre prontas para ajudar (confesso, tive vontade de trazer uma delas para casa, hoho). Enfim, amamentei no shopping.

A gente faz cada coisa que nunca imaginou.

Ela fez cocô e xixi, arrotou, foi trocada, resmungou mais um pouco e dormiu de novo.

Quis mostrar algumas vitrines – filha, isso se chama li-qui-da-ção e é coisa fundamental na vida de uma mulher! -, mas ela nem tchuns. Babava, indiferente. Não deixei por menos: já que não quis comprar roupas, comprei-lhe fraldas.

E assim foi o primeiro passeio: papai e mamãe completamente bobos, exibidos, apaixonados. Alguns passantes viravam o pescoço, admirados. A alegria e o orgulho nos escorriam pelas babas, que coisinha mais linda a nossa filha, como é fofa, como é rica, como é graciosa, olha o pezinho, olha a mãozinha, olha o vestidinho, olha a orelhinha...

E ela nem bola.

Quem sabe na liquidação de inverno.

08 março 2007

Mar Morto

Acabo de ler no jornal que, sendo hoje Dia Internacional da Mulher (em coro: óóó!), devemos aproveitar para “cuidar de nós mesmas”. E a primeira sugestão é fazer uma esfoliação à base de sal do Mar Morto.

Sal do Mar Morto. É mole?

Essa cultura do “cuidar de si mesma” está enchendo um pouco o meu – perdão pelo termo masculino - saquinho. Não sei se é porque, no momento, estou muito dedicada a cuidar de um pedacinho de “mim mesma” que, há pouco mais de 20 dias, habitava a mim-mesma-barriga. De qualquer modo, me parece enfadonha a idéia de que ficar melecando a cara com as novas tendências da cosmética seja assim, uau!, um presente tão supimpa a mim-mesma TODAS AS VEZES em que pretendo me sentir homenageada.

Não sei do mim-mesma de vocês, mas a mim-mesma soa mesmice pura. Será que não há nada mais inteligente ou interessante para sugerir como mimo para myself? Pomba.

Sal do Mar Morto!

Mim-mesma agradece, mas eu gostaria de receber a minha parte em $$$. Mim-mesma pode não ter lá uma pele de oceano (!!??), mas garante que sabe direitinho onde gastar. Hoho.

07 março 2007

Impotente

A vida está muito corrida, desculpem a falta de organização no texto, escrevo enquanto ela finge que dorme (eu também finjo que escrevo), daqui a pouco vai resmungar de lá, calma que mamãe já vai, resmungará mais, calma! calma!, fará um silêncio tão doce quanto breve, escrevo mais um pouco, fico me iludindo – agora ela dormiu de vez, benzadeus! –, que nada, resmunga e agora chora, chora curtinho, depois chora médio, depois chora alto e compriiiiiido, deixo o que estou fazendo e vou ver se faz careta e puxa as perninhas (cólica, gases), se está só agitada, se é calor, se é frio, se balança os braços no ar e se assusta com os próprios movimentos, se...

Enfim. Muitas vezes ela faz tudo isso ao mesmo tempo.

Eu balanço, consolo, acarinho, aliso, massageio, abraço, beijo, ajeito, troco, visto, enrolo, sacudo, embalo e já estou quase carimbando e enviando por Sedex à minha mãe quando ela, enfim, silencia e cai exausta, entregue à mais invejável paz.

Mas deixa bem claro que foi porque ELA quis.

06 março 2007

Batendo papo



Reparem no brinquinho. Uma coisa.

04 março 2007

Queda de cabelo pós-parto

Cruz credo! Era verdade.

01 março 2007

Mitos e verdades - cesariana

A cesárea não é exatamente uma festa, mas também não chega a arrancar pedaço. (Só o pedacinho que vem ao mundo, claro). Eu tinha muito medo da tal anestesia com agulha grossa, mas nem senti. O médico era craque.

A primeira noite no hospital foi uma m***, pior do que eu imaginava. Você fica com uma sonda na bexiga e um soro espetado na veia, não tem posição para dormir, é um inferno. Nada chega a doer, mas incomoda bastante. Fui valente.

O segundo dia no hospital é bem melhor, embora seja a hora da verdade: levantar da cama e tomar o banho com a ajuda da enfermeira é doloroso – e, no caso da paciente ser metida a besta como eu, um pouco humilhante. Dá licença, minha bunda lavo eu.

A verdade é que eu não estava preparada psicologicamente, aliás, nunca estou. Caiu a ficha: caramba, fiz uma cirurgia! Meteram a faca mesmo!

No terceiro dia, já muuuuito melhor das dores e podendo tomar meu banho sozinha, comecei a ver o mundo com outros olhos. Afinal, nem foi tão ruim. E passou rápido.

O pior de tudo: a maldita sonda e as dores na barriga no segundo dia (gases! Eles avisam para a gente não falar nada depois da cirurgia, porque se acaba engolindo muito ar e a dor é certa, mas, que diacho!, você acabou de ter uma filha e as pessoas querem saber de tudo!).

O melhor de tudo: claro, a Lara e o pai dela. Afora isso, o tempo – que é o melhor remédio e, nesse caso, age impressionantemente a favor. A cada dia que passa, desde o parto, a recuperação avança quilômetros. Hoje faz 16 dias, já tirei os pontos e raramente lembro que tenho um corte na barriga. É realmente animador.

***

Terceirizando


Essa eu me esqueci de contar antes, mas é ótima. O médico que fazia as ultra-sonografias da Lara era do tipo conversador, simpaticão. Foi com ele que descobrimos que era uma menina. Pois quando eu estava na última semana de gravidez, ele encostou o aparelho na minha barriga e veio com esta:

- E o garotão já tem nome?

Não dei pelota, apenas disse: “Lara”. E ele:

- Rárárá, esse é o teste que eu faço para avaliar o nível de estresse da mãe! Você passou com louvor!

Hum, não diga.

O mais engraçado foi quando, não sei por que motivo, caímos no assunto futebol (isso durante o exame, é mole?). E ele, querendo contar que fez as ultras dos filhos do Romário, disse assim:

- Fui eu que fiz os filhos do Romário!

E nem se deu conta da gafe. Minha porção de gentileza eu gasto silenciando nessas horas, mas minha vontade quase incontrolável era dizer:

- Que ótimo. Mas, lá em casa, fazemos nós mesmos os nossos...
Comentários

Confesso que estou adorando os comentários de vocês sobre a foto da minha filha, por isso nem tenho mais escrito no blog, hoho. Agradecemos pela preferência!

Mais tarde volto com novidades. O tempo, no mundo das mães, passa muito rápido!
Beijos.

26 fevereiro 2007

Paz



Com vocês, minha filha Lara...

23 fevereiro 2007

Os 10 dias de Lara

Ela é morena e nasceu cabeluda. Faz caretas divertidíssimas, tem o bocejo mais lindo do mundo e enruga a testa quando abocanha o bico do seio para depois sugar. Dedos compriiiidos. Narizinho arrebitado, pernas longas, olhos doces amendoados.

Improvisa sorrisos que nem ela sabe e deixa todo mundo babando - imagina só quando ela souber que sabe sorrir!

Chora só quando se sente incomodada - uma cólica aqui e ali, nada de mais, logo passa. No resto do tempo mantém o rosto sereno, mesmo acordada; olha para os lados e parece refletir sobre coisas sérias como o papel da filosofia no mundo contemporâneo, a cotação do dólar, a previsão do tempo, a vida dos outros...

Ontem fomos ao pediatra, primeira vez que ela saiu de casa. Foi calada daqui até lá. Volta e meia abria bem os olhos e me mandava a seguinte mensagem subliminar:

"Estou colaborando, mas não abusa."

Durante a consulta o médico apertou a barriguinha, examinou o ouvido, a boca, o nariz, o diabo a quatro. Ela chorava, inconsolável. Mandava a seguinte mensagem subliminar:

"Estou avisando para não abusar!!!" (Agora com exclamações lacrimejantes).

Quando o doutor a levantou e testou os reflexos fazendo-a "caminhar" sobre a mesa, esgotou-se a paciência:

Lara, minha filha, fez cocô no final do percurso e batizou a bancada do médico.

E foi ótimo, porque ali mesmo ele pôde fazer a análise visual do material: "o cocô dela está muito bom, viu?".

Eu sabia, eu sabia. Mamãe abriu um sorriso amarelo e saiu toda orgulhosa. Não quero dizer nada, mas o cocô da minha filha é um sucesso.

18 fevereiro 2007

13/02/2007 - Lara nasceu!!!

Só hoje tive tempo (modo de dizer, estou correndo) de passar aqui e contar a novidade: já sou mãe. Fazíamos previsões e mais previsões, mas a verdade é que Lara chegou correndo por fora!

Ela é linda. Não sei o que dizer. É pequena e linda, linda, linda. Estou sem dormir desde terça-feira, os dias mais felizes da minha vida. Me dá um nó na garganta escrever aqui, sorry. Queria passar e contar a vocês que deu tudo certo no parto, aqui estamos todos ótimos.

Detalhes no decorrer dos períodos entre as mamadas.

Beijos maternais.

12 fevereiro 2007

Careca pós-parto


Fui cortar o cabelo (preparativos para o grande dia). A moça que me atendia tem três filhos e uma cara ótima.

- Menina, engordei 21kg na última gravidez!

Diga-se de passagem, a moça tem um corpo ótimo. Esbelta mesmo.

- Mas, quando minha filha fez três meses, eu já havia voltado ao peso inicial. Você não engordou foi nada, né?

Digo, entre constrangida e orgulhosa, que engordei pouco menos de 9kg.

- Uau! Você tem muita sorte! Vai sair da maternidade de jeans. É para poucas.

Quando eu já estava toda boba-alegre, ela veio com esta:

- Agora se prepare, vá dando adeusinho aos seus lindos cabelos. Cai tudinho. É de ficar desesperada. Assim que a neném nascer, mamãe ficará careca. Anota aí.

- Sei. Mas dizem que volta rapidinho, né?

- Onde foi que você ouviu isso? É nada!!! Demora horrores. Sua filha já vai estar bem gordinha e você ainda estará perdendo os fios pelo ralo.

- Hum.

- E a amamentação?

Cristo, ela engatou.

- Que é que tem?

- Ave Maria, quanta dor! Dói quando o peito enche, depois dói quando o bebê suga. Quando ele não suga, dói porque racha o bico. Você tem bico?

Nem respondi.

- Quem não tem bico dói mais, porque até fazer... Mas quem tem bico dói também. Quem fala que não dói é, como se diz? Romantismo! Está bom esse comprimento aqui na frente?

- Tá ótimo. Vai cair tudo mesmo.

“Rárárárá!!!”... (Ela ria, como se a doida fosse eu).

11 fevereiro 2007

Das novidades

Estou apenas um pouco mais redonda, dilatada e ansiosa. Achamos que vamos atravessar o carnaval sem parto, mas tudo são reles previsões – desde que caí na malha médica, aliás, nunca estive tão próxima dos termos do esoterismo. Que ironia!

Pode ser que sim, pode ser que não, quem sabe, talvez, é possível, provavelmente... Meu médico repete, como um mantra:

- Veja bem, a medicina ainda não é uma ciência exata!

Exatamente. E paga-se caro (em todos os sentidos) por isso.

Como a Lara ainda não tem a chave de casa, o jeito é acender uma vela e ficar acordada esperando. Aaaai, meus úteros!!!

09 fevereiro 2007

Vou dizer e é verdade, está cada vez mais difícil escrever aqui porque me dói a coluna. Minha barriga deu uma franca crescida agora, na reta final. Embora ainda seja tamanho P, já me exige da espinha mais do que o justo (sentiu meu ensaio de mãe dramática? Pobrezinha da Lara).


Ultrasom

Ontem fizemos o último ultrasom, e ela apareceu com a mão na boca. O médico frisou:

- Não está chupando o dedo, não. Está chupando a mão toda!

Realmente, Lara cerrou o punho e enfiou na boquinha o que foi possível. Vez em quando mexia o braço para ver se cabia mais um pouco. Teria puxado a teimosia da mãe?

Fiquei achando que, se não nascer logo, é capaz de comer a mão.

Mas tudo está nos conformes. Ela não apresenta sinais de sofrimento, a quantidade de líquido está ok lá dentro, placenta idem, circulação impecável. Tenho que contar: o médico disse que, se depender da circulação no cérebro dela, será um gênio!

Brincadeirinhas à parte, Deus nos livre de ter uma filha genial. Já pensou a briga eterna para decidir de quem ela puxou o privilégio? Periga dar divórcio, tô fora.


Em 14 dias serei mãe

É bobagem aconselhar mulher grávida a dormir muito: “aproveita agora, porque depois...”.

Sei. Quantas vezes já ouvi isso?, perdi as contas. Quero saber quem é que consegue dormir com a barriga habitada por um ser que desconhece se é dia ou noite, podendo praticar qualquer tipo de exercício quando lhe dá na telha. Pior: indo ao banheiro de uma em uma hora. Pior: arrastando uma contagem regressiva que tem o peso da expectativa da maternidade.

Não é mole. Depois, tem as particularidades de cada uma. Eu, por exemplo. Faz nove meses que estou grávida e ainda me esqueço completamente disso quando vou:

- me virar na cama (aaaai, o que foi que houve no meu abdômen?)
- levantar, de manhã (de repente minhas pernas ficaram fracas... Eeeeu, hein?)
- me olhar no espelho (credo, andei engordando mesmo...)
- bater perna por aí (que cansaço repentino! Preciso fazer um check up.)

Isso para não falar no modo estranho como as pessoas me olham na rua. Penso logo se estou com algum botão aberto, a blusa suja ou um colar que não combina. Só então me dou conta de que os olhares não são para mim: são para a minha superbarriga, essa ladra de atenções.

É mais ou menos como se estivesse carregando um poodle espalhafatoso pela coleira, com a diferença (grave) de que não posso emprestá-lo para outra pessoa dar uma voltinha. Vontade não me falta.

- Com licença. Você, que está aí olhando fixo para a minha barriga, será que se incomodaria de levá-la para passear um pouquinho enquanto eu...

Nem te conto o que eu ia fazer sem o poodle.

05 fevereiro 2007

Maldades de última hora


É desesperador, descobri agora que estou no nono mês de gravidez e ainda não cometi maldades o suficiente para abusar do direito. Grávidas podem tudo! Isso deve significar que entramos no caixa preferencial do perdão, ou seja, temos créditos para pisar na bola à vontade e não dar em nada. Passe livre, meus amores. Lá vou eu, pulando a roleta.

***
Gente muito feia devia ser proibida de fazer careta. Não é por mal, não. É que gera uma expectativa (no outro) difícil de ser atendida. Quando se desfaz a careta, o quadro seguinte é tão quanto ou pior, se é que me entendem. Quem olha fica meio sem chão, judiaria.

***
O mesmo ocorre com o burro que diz tolices “de propósito”. Ora, se o idiota é mesmo naturalmente freguês da imbecilidade – todos são -, não fica bem sair dizendo asneira por esporte, sob pena de confundir o interlocutor.

Será que agora ele está dizendo isso porque pensa isso mesmo ou é para fazer graça?

E, pior ainda, fica-se esperando que o coitado vá se redimir logo adiante, pelo amor de Cristo, dizendo alguma coisa melhorzinha. Só que, a exemplo da pessoa feia desfazendo a careta, também o burro não sairá com frase alguma meramente compatível com a inteligência média. Aí, o azarado que topou a conversa pode até se arrepender, mas será tarde demais.

Geralmente, o burro metido a engraçado não sabe ser breve – e, por ser burro legítimo e militante, jamais aprenderá.

***
Ainda sobre o burro. Toda pessoa curta de pensamento, ao contrário do ladrão, retorna freqüentemente ao local do crime, por motivos óbvios: conhece três ou quatro caminhos, todos infrutíferos, mas julga saber tirar leite de pedra.

Funciona assim: o burro diz uma sandice (crime), e o povo gentilmente disfarça, mas o desgraçado não sabe silenciar e aproveitar a boa oportunidade. Dá voltas e depois cai em redundância, fazendo ecoar sua bobagem pelo resto do dia ou da noite como um refrão desafinado.

Pior, freqüentemente se envaidece do dito e nem sequer disfarça a autoria.

***
O que fazem alguns homens com seus corpos é algo digno de intervenção judicial. Dizem que são as mulheres as maiores vítimas da obsessão pela estética, mas há homens que malham exageradamente e saem por aí inflados - braçudos, pernudos, peitudos e até bochechudos -, dando impressão de que basta um espetar de guarda-chuva no pescoço deles e se ouvirá um “PUFFFFF!!!!” (esvaziamento instantâneo capaz de nos levar à calvície só pela ventania).

Não dá, francamente. Esses meninos (de 15 a 65 anos) estão perdendo um pouco a noção do ridículo. Outro dia eu vi um moço no shopping que andava feito João-Bobo, pendendo para um lado e outro, pois o rapaz tinha os braços em meia-lua em relação ao corpo e formava uma bolota ambulante que dava gosto...

Gosto por fugir dali o quanto antes (não sabia quando ia tropeçar e sair quicando, daí a atropelar os outros é um pulo e um prejuízo).

***
Para não falar naquela coisa da orelha, valha-me Deus.

***
Bom, por hoje chega de maldades. Vou ali me sentar numa nuvem e tocar harpa, amanhã vai ver que volto absolvida e restaurada.

04 fevereiro 2007

Dedinhos

Mais uma consulta com o obstetra. O tal exame de toque é algo a que já estou acostumada desde o início da gravidez, ora pois, coisinha de rotina e sem importância. De mais a mais, ele sempre vem com o mesmo texto:

- O colo (do útero) está loooongo e fechado, tudo certinho por aqui. Pode se vestir.

Só que, dessa vez, veio com novidades.

- É, mamãe. Já temos um dedinho de dilatação.

Temos – quanta gentileza. Dedinho! – quanta delicadeza.

- DILATAÇÃO??? – quis saber a supermãe dilatada.

- Sim, mas não se assuste. Pode não significar muita coisa. Tem mulher que passa semanas com esse dedinho e nada.

Ou seja, a natureza é mesmo um troço estranho que vem cheio de dedinhos – e, quando menos se espera, ataca de punho cheio. Ou não, vá saber.


38 semanas

Tecnicamente, faltam apenas duas semanas para a Lara nascer. Mas continuamos mantendo a previsão para o dia 22, por conta de um cálculo baseado no ultrasom (detalhes que não vêm ao caso).

Ou a qualquer momento, em edição extraordinária.

27 janeiro 2007

Quase

- Agora estamos na reta final!

O obstetra me olhava arregalado como quem espera qualquer reação. E eu, péssima em providenciar reações – bem como outros embrulhos para presente -, apenas empacotei o susto da iminência do parto numa vogal redonda como a minha barriga:

- Ô!

Estou com 37 semanas completas. Para os leigos: faltam só três. Como a Lara está ótima e não demonstra sinais de incômodo com o seu (meu? já não sei mais) habitat, diz o bom senso que ela deve nos brindar com o primeiro choro só lá pelo dia 22.02, quinta-feira após o carnaval. Veremos.

Se estou assustada? Imagina. Preocupada? Tampouco. Dizem que estou até com cara de mãe. Sorrio muito, no fundo me agrada. E só.

Mentira, de madrugada eu entro em pânico.


Gula

Outra observação do obstetra (aliás, você sabia que o termo obstetra vem de observar?): engordei só o mínimo. Elogios mil. Mas subi na balança e tinha engordado, só em janeiro, 1.8kg.

- Ainda assim é pouco, no geral, porque você pesava pouco para a sua altura antes de engravidar.

Deus sabe como isso entra doce nos ouvidos de uma mulher. E emendou, como um papo-de-anjo:

- Agora você até poderia comer um pouco mais!

Pra quê? Saí de lá cheia de desejos. Só ontem comi pastel de queijo e camarão, depois salmão marinado e baguete quentinha com manteiga. Sobremesa explosiva: bomba de chocolate!

Trouxemos para casa um farto naco de patê de pato com laranja (minha perdição) e outros pãezinhos. Mas isso vou deixar para beliscar quando a consciência parar de me cutucar as culpas.


São tantas contrações (como diria o Rei)

A partir de agora, as consultas serão semanais até a Lara nascer. Folgo em saber. De vez em quando tenho contrações, ainda que leves e curtas, e sinto uma dorzinha na parte baixa do útero. O médico disse que é normalíssimo - o corpo está esquentando os tamborins para o grande dia. Huuum.

Mas a gente, que é grávida de primeira viagem, nunca sabe quando é que a princesa vai inventar de abrir alas, né? Fico nervosa se tenho três ou quatro contrações. Aliso a barriga, bufo, bufo e converso com ela.

- Filhota, assusta não... Estamos só aquecendo os tamborins, viu?

A barriga endurece ainda mais, mudo de posição e bufo outra vez.

- Querida, queridinha, a mamãe está calma, ok? A mamãe está absolutamente calma, pode ficar tranqüila também. Ninguém com pressa aqui. Temos todo o tempo do mundo.

Sinto a pele esticar numa espécie de Pão de Açúcar abdominal.

- Epa, segura esse bondinho aê!! Dá para acalmar, dá? Já falei uma vez, já falei duas vezes. Era para aquecer os tam-bo-rins! Tam-bo-rins!

E termino com a frase típica do desabafo maternal:

“Avemaria, não sei o que teu pai tinha na cabeça quando inventou de te comprar essa tuba!!!!!!!!”

22 janeiro 2007

Tudo muito lindo com a tal convergência das mídias, está bem, mas haja saco (analógico) para tanta tralha digital! É só comigo, ou acontece com todo mundo?

Outro dia fomos fazer uma compra no shopping – numa loja de verdade, palpável, física, até robusta. Questionamos o preço da mercadoria; o mesmo produto, no site da própria loja, estava mais barato! O vendedor admitiu:

- É verdade. Perdemos muitas vendas para o site.

!!!

O fenômeno é explicável pela ausência, na loja virtual, de despesas próprias do mundo físico. Mesmo assim, acho esquisito.

Para não falar na confusão dos sites das empresas multifuncionais (vamos dizer assim). Telefonia móvel que também vende linha fixa, internet por banda larga, jogos, músicas, horóscopo, notícias, e, procurando bem, dá até um descontinho nos sutiãs para amamentação.

Você digita www-ponto-o-nome-da-loja-ponto-com, jurando que vai encontrar simplesmente a informação que procura, e ponto. Acaba saindo cheio de vírgulas ponto sem.

Saquinho, né?

11 janeiro 2007

Curso de bebê


Fomos ao tal curso para casais grávidos (é assim mesmo que chamam). Fiquem calmos, ainda não afoguei a boneca na banheira porque o capítulo do banho é só no próximo sábado. Ando ansiosa.

No geral, foi ótimo. Aprendi coisas fantásticas sobre parto, amamentação e cuidados com o bebê. Mil exemplos, mas aqui vai um ponto alto: se o bebê chorar – e vai chorar -, não se deve começar oferecendo o peito (que se chama “mama” nos ambientes respeitáveis, fui aprender agora, antes tarde do que nunca).

Se o pequeno chorão der com a mama diante da sua boca, irá sugá-la por puro instinto. Mesmo sem estar com fome. A confusão estará instalada: desregula-se o ritmo da mamada e, depois, para arrumar tudo de novo, vai ser um parto (ops!).

Então eles sugerem uma seqüência de checagem do choro. Cocô? Xixi? Calor? Frio? Cólica? Dor de ouvido? Etc. Já me esqueci da ordem correta, mas trouxe a apostila em CD ROM e vou estudar direitinho em casa. Assim, na hora do nervosismo-pega-pra-capar, estarei totalmente apta a esquecer tudo de novo e gritar bem alto, chamando pelo pai dela – que virá correndo me atender e começará a checar, agora em mim: cocô, xixi, calor, frio... E é capaz de encontrar tudo isso, no desespero a gente nunca sabe.

Se nenhuma das alternativas anteriores e malcheirosas for a correta, o pimpolho faz cara feia é de fome mesmo. Aí, segundo consta, é só com a mãe e sua mama (não me refiro a avó, mas ao peito, com todo o respeito). Parece simples.

Além disso, para verificar incômodos como dor de ouvido ou cólica, a medida não poderia ser mais elementar: aperte o ouvido. Se piorar, era dor de ouvido. Ora, isso eu sei fazer!

Na hora da cólica, o médico/professor veio desafiando os alunos: alguém sabe como se faz para ver se é cólica?

Bom, eu não quis dizer a verdade. Que minha filha e eu já desenvolvemos um fino sistema de placas, cada qual com letras coloridas e desenhos da Minnie, em que ela levantará o cartaz “CÓLICA” se estiver com cólica, assim por diante. Não tive coragem de confessar. E, como o método usado pelo médico - lançar perguntas desafiadoras e ficar esperando hooooras até que um tímido se manifestasse – já estava cansando a nossa beleza, resolvi fazer uma graça.

- Aperta o bebê!... Estica! (E sorri amarelo, estimulando outras risadinhas tímidas dos colegas).

Me dei mal: quis fazer piada, mas acertei sem saber. Era isso mesmo. Pressionando um pouco a barriguinha – se o choro piorar, é cólica – ou espichando as duas perninhas do baby, resolve-se a parada. Isso porque tendência dele é ficar encolhidinho quando sente esse tipo de dor.

Resumindo: se o bebê chorar, é melhor – para ele - que esteja bem sujo de cocô ou urina. Caso contrário, é tarefa da mãe sair judiando da criança (beliscando, apertando, puxando, esticando) até que alguma dessas ações produza o efeito esperado: piorar o choro. Aí, conclui-se o motivo e liga-se para o pediatra:

- Doutor, socorro! Não sei o que deu nessa criança! Está chorando e agora berra cada vez mais alto, parece até que alguém apertou o bichinho...

Hoho.

03 janeiro 2007

2006... 2007!


Meu irmão, no final da tarde de 31/12, veio com um plano sobre a virada:

- Tô com a maior preguiça. Vamos deixar para amanhã?

***

Lara, por outro lado, esteve agitada. Minha barriga faz ondinhas. Ela saracoteia como se estivesse sob lençóis – e a parentada boba, olhando (mamãe aqui, então...). Não preguei o olho a noite toda. Ansiedade pura.

***

Hoje é dia 03 e ainda não parou de chover. Preciso resolver coisas – buscar a calça que mandei reformar, comprar fita adesiva, manicure; isso fora as caminhadas diárias que, se interrompo, me sinto uma criminosa da pior espécie. Podendo fazer nada disso, encaixoto minhas dúvidas e dívidas, dentro de casa mesmo, e jogo fora o que já era para ter ido há muito tempo.

Muita mudança. Como diria o rei: são tantas contrações...

***

Esconde-esconde

Outro dia, na depilação, a mulher começou o serviço e não se tocou que eu estou grávida. Tudo bem que a minha barriga é tamanho P, mas, francamente.

Pior foi que eu não me dei conta de que ela não havia se dado conta. E fui fazer uma brincadeirinha (sou ótima em querer espantar o silêncio constrangedor com brincadeirinhas tipo Chandler, do Friends, que finalizo com um sorriso amarelo e quase pedindo perdão pelo ocorrido – minhas piadinhas infames, sou conhecida por elas).

Então, esperei justamente a mulher se virar de costas para mexer com a cera e saí com esta:

- Caaaalma, minha filha... (esfreguei a barriga, mas ela não viu, óbvio: estava de costas).

Num segundo percebi: a moça achou que eu me dirigia a ela. “Calma, minha filha!”, como quem diz “pega leve aê, sua depiladora abrutalhada!”. E reagiu:

- HEIN??

E eu:

- Estou falando com a minha filha!

E ela (decerto pensando: mulher maluca, acha que trouxe a filha, mas deve ter esquecido dentro do carro, porque aqui não tem criança nenhuma):

- Falando com quem???

- Aqui, ó. Dentro da minha barriga (sorriso amarelo-ovo).

- Ah! Você está grávida?

Não, minha filha é que tem o hábito de brincar de esconde-esconde quando a mãe começa a pagar mico!

***

Gogó aceita

No horóscopo só dá que eu vou ficar rica, ficar rica, ficar rica. E nada.

Hoje veio uma dica: “aceite colaborações”.

Finalmente, uma luz! Primeiro passo: comprar um chapéu. Que o violão e o gogó eu já tenho. Hoho.